blog
A verde rubra

Paraeidolia

A maioria de nós julga ver o mundo com os olhos, e que esse mundo é visto de forma igual por todos! É uma assumpção errada, pois não é de todo o que acontece. O processo é menos evidente e linear.

Os olhos são como que as “lentes”, o primeiro órgão de um sistema visual muito mais complexo. Pelos olhos se dá a entrada da luz, dos raios e fotões luminosos, cujas células da retina convertem em impulsos nervosos. Estes são transmitidos pelo nervo óptico via tálamo até à parte posterior do nosso cérebro, o cortex visual, onde são processados. Nesse centro de análise, a informação recolhida é desmontada em multíplas partes e analisada: cor, profundidade, iluminação, movimento, etc.. Esses blocos de informação são processados pelo cérebro, segundo o que sabe, o que se conhece, as experiências que se teve e o que se arquivou na memória. O mundo percepcionado é uma construção cerebral própria de cada um dos indivíduos, inevitavelmente diferente dos demais.

A pareidolia é um fenómeno psicológico que leva a que determinadas pessoas interpretem silhuetas, luzes, formas e outros sinais (que podem ser de outro tipo, por exemplo, sonoros), e lhes dêem um significado próprio. É o fenómeno que permite interpretar de forma poética um conjunto de nuvens como um ser vivo, um conjunto de objectos inanimados dispostos de forma particular com uma face ou sorriso, ou de forma mais polémica, assegurar que umas sombras de umas rochas numa fotografia Marciana1 são uma cara. Uma cara construída por extraterrestres, são capazes de defender ardentemente alguns, visto que o homem nunca ali se aventurou! Os mais resilientes só terão sido esclarecidos através das imagens de alta resolução recolhidas por diversas sondas mais recentes. As novas imagens possibilitaram a criação de uma modelo em 3D que cabalmente mostra um aglomerado de rochas, não sem que antes os teóricos da conspiração tenham propagado pela cultura popular essa poderosa percepção de uma cara.

Paraeidolia

Tal fenómeno é explicado pela capacidade cognitiva humana e pela necessidade de se inteirar do mundo que o rodeia, em especial das caras e expressões de outros humanos. Como animal gregário e social que é, o ser humano desenvolveu diversos mecanismos (atenção, percepção, associação, raciocínio, juizo, memória, etc.), para processar informação, para se organizar e compreender o que está à sua volta e reagir em conformidade, o que o leva rapidamente a sintetizar e a reconhecer padrões. Quaisquer sinais, ainda que pequenos ou fracionários, entendidos pelo nosso cérebro numa ordem pré-definida, leva a que os identifiquemos como uma imagem reconhecível, tornando possível interpretarmos caras/sorrisos em construções abstractas tais como :).


Notas

1 Imagem tirada pela sonda Viking 1, disponibilizada pela NASA em 25 de Julho 1976


Bibliografia


Partilhe este artigo nas redes sociais:



O que achou? Tem comentários ou opiniões sobre este artigo?

Envie-nos o seu comentário